Início » Trab. Estudantes » Filosofia » 10º Ano

Trabalhos de Estudantes

Trabalhos de Filosofia - 10º Ano

 

A Dimensão Estética

Autores: Melissa-Anne Vaz Carvalho

Escola: Escola Secundária Fernão de Magalhães

Data de Publicação: 04/06/2011

Resumo do Trabalho: Trabalho sobre a Dimensão Estética, realizado no âmbito da disciplina de Filosofia (10º ano). Ver Trabalho Completo

Comentar este trabalho / Ler outros comentários

Se tens trabalhos com boas classificações, envia-nos, de preferência em word para notapositiva@sapo.pt pois só assim o nosso site poderá crescer.

 

 

 

A Dimensão Estética

Subtítulos:

· A experiência estética

· O juízo estético

· O objectivismo de Platão

· O subjectivismo de Kant

 

A estética é a disciplina filosófica que reflecte sobre a arte e sobre a beleza. Esta disciplina centra-se na problemática da beleza, assim como nos diversos aspectos a ela associados: e experiência, o juízo estético a a criação artística. Muitos filósofos desenvolveram teorias estéticas, ou seja, perspectivas acerca da beleza e da arte integrados na sua visão geral da realidade.

O objectivo da estética, actualmente, não consiste em ditar regras de como se deve ser a obra de arte para alcançar a beleza (estética normativa), consiste antes em descrever e compreender o fenómeno estético nas suas várias dimensões. Uma dessas dimensões refere-se à experiencia estética. Neste conceito, encontramos os elementos: o artista, o espectador, a obra de arte e a natureza, resultado da contemplação da natureza ou da obra de arte em si, assim como da criação artística - a emoção estética - e o contexto cultural.

A sensibilidade estética de cada pessoa depende da sua cultura, aprendizagem, dos seus interesses, do seu grau de abertura à experiencia do belo. A sensibilidade artística vai amadurecendo e vai-se tornando mais rica através das experiencias, da educação e da cultura.

A apreciação da beleza subjaz sempre uma dimensão intelectual que se traduz no juízo estético, isto é, o juízo estético é um juízo de valor ou de apreciação relativamente ao belo ou às categorias que lhe são afins. O juízo estético não deve ser confundido com juízos científicos nem práticos, pois o juízo estético encontra-se associado à sensibilidade e ao sentimento.

As categorias estéticas diferentes níveis ou graus de beleza, alguns exemplos são: o sublime, o grandioso, o feio, o horrível, entre outros. Aqueles que consideram o belo independente do sujeito são partidários do objectivismo estético de Platão. Por sua vez, aqueles que consideram que a beleza depende do sujeito, são defensores do subjectivismo estético de Kant.

Segundo Platão, podemos perguntar se a beleza, sendo independente do olhar humano, é uma propriedade que faz parte integrante das coisas ou se existirá em si mesma de forma independente e absoluta. As coisas são belas porque participam na beleza em si. Temos quatro graus de beleza: a beleza corporal, moral, intelectual e absoluta, sempre em estreita relação com o amor.

Para Kant, o juízo estético diferencia-se ao juízo científico, relativo ao conhecimento universal e necessário e do juízo moral, relativo ao dever. Assim, o juízo estético é um juízo subjectivo, refere-se à satisfação que cada um sente perante a obra. Segundo Kant, o juízo estético também não se reduz a uma simples inclinação pessoal relativa ao gostar ou não gostar. No ser humano existe o sentimento do belo e é esse sentimento, comum a todos, que está na base da pretensão à universalidade dos juízos estéticos.

Concluindo, podemos dizer que as perspectivas de Platão e de Kant nos surgem como exemplos, respectivamente, das estéticas tradicionais e das estéticas contemporâneas. As estéticas tradicionais são tendencialmente normativas, partindo de uma concepção objectivista do belo. As estéticas contemporâneas, na linha de pensamento Kantiano, não partem de uma definição priori da beleza, não estabelecem cânones rígidos nem são normativas. O que fazem é tentar compreender as experiências concretas da beleza, pelo que tem sempre em conta o sujeito e a maneira como ele vivencia essa experiências.

 

Melissa-Anne Vaz Carvalho, Escola Secundária Fernão de Magalhães

10ºA nº18

 

 

Outros Trabalhos Relacionados

Ainda não existem outros trabalhos relacionados

Início » Trab. Estudantes » Filosofia » 10º Ano