Início » Apont. e Resumos » Português » 9º Ano

Apontamentos e Resumos

de Português - 9º Ano

 

Os Lusíadas

Autores: Joana Lanhoso

Escola: [Escola não identificada]

Data de Publicação: 10/08/2011

Apresentação: Resumo/Apontamentos sobre os Lusíadas, realizado no âmbito da disciplina de Português (9º ano).

Ver Apontamento/Resumo Completo

Comentar este trabalho / Ler outros comentários

Se também tens bons apontamentos ou resumos, envia-nos, de preferência em word para notapositiva@sapo.pt pois só assim o nosso site poderá crescer.

 

 

 

Os Lusíadas

Proposição:

1ª Parte: estrofes 1 e 2

Agentes de engrandecimento da Pátria:

. “As armas e os Barões assinalados” – D. Manuel a D. João III.

Guerreiros e navegadores

. “E também as memorias gloriosas/ Daqueles reis” – D. João I a D. Manuel.

Reis que dilataram a Fé e o Império.

. “E aqueles que por obras valorosas/ Se vão da lei da morte libertando” – Reis da 1ª dinastia e todo o povo português.

Todos os que imortalizam através das suas obras

2ª Parte: estrofe 3

Justifica a razão de ser da sua epopeia: cantar a glória do povo português, cujos feitos ultrapassam em valor os seus heróis da antiguidade.

Consílio dos Deuses:

Est.20-21: partida dos deuses e sua chegada ao Olimpo, local onde se realizará a reunião. Os deuses irão decidir acerca do futuro dos portugueses no Oriente. São convocados por Mercúrio, a mando de Júpiter.

Est.22-23: descrição de Júpiter e da ordem pela qual estavam sentados os deuses no
Olimpo.

Est.24-29: discurso de Júpiter. Razoes que determina, para que se protejam os portugueses.

Argumentos. Valor do povo português demonstrado contra os mouros, castelhanos e romanos; determinação do destino; coragem revelada pelos Lusos (portugueses) ao navegar sem condições no mar desconhecido.

Est.30 (versos. 1-4): os deuses apresentam os seus argumentos.

Est.31 (v.5-8) a est.32: Oposição se Baco. Argumentos: Baco não quer perder o seu domínio no Oriente, como está previsto no destino; receia que os seus feitos sejam esquecidos.

Est.33-34 (v.1-4): Razoes pelas quais Vénus está a favor dos portugueses. Argumentos: Povo luso (povo português) é parecido com os Romanos na coragem e na língua; sabe que será sempre celebrada por onde passarem os portugueses.

Est.34 (v.5-8) a est.35: os deuses discutem. Tumulto entre os deuses que se divide em dois partidos.

Est.36-37: descrição da figura de Marte e das razoes pelas quais está a favor de Vénus: ou pelo amor à deusa, ou pela bravura dos portugueses.

Est.38-40: discurso de Marte que contradiz as razões de Baco e pede a Júpiter que envie Mercúrio em auxílio dos portugueses.

Est.41: Júpiter aceita a sugestão de Marte e resolve o consílio a favor dos portugueses.

Episódio de Inês de Castro:

Est.118-119: introdução: localização temporal da acção e apresentação do caso da morte de Inês de Castro. O amor é responsabilizado e culpabilizado pela sua trágica morte.

Est.120-121: situação inicial de felicidade, ainda que a estrutura trágica se anuncie desde o início.

Est.122-124: razoes que levam D. Afonso IV à decisão de mandar matar Inês: D. Pedro recusa-se a casar de novo e o murmurar do povo. A morte de Inês é, para o rei, a única forma de terminar com o amor que a unia a D. Pedro. Inês é trazida diante do rei e prepara-se para suplicar ao rei que lhe poupe a vida.

Es.126-129: discurso de Inês de castro: compara a crueldade dos seres humanos a animais selvagens capazes de maior piedade. Baseia a sua argumentação na humanidade do rei (perante os netos); refere não ter cometido qualquer crime; pede a substituição do castigo da morte pelo castigo do desterro, esta teme deixar os filhos orfãos.

Est.130-132: o rei é apresentado como estando comovido com as palavras de Inês, disposto a perdoá-la. O povo e o destino são apresentados como culpados da decisão final.

Inês é comparada a Polycena. A estrofe 132 descreve o culminar da tragédia: a morte de Inês de Castro.

Est.133-135: consequências da morte de Inês de Castro na natureza. Reflexões do narrador.

Episódio da Batalha de Aljubarrota:

Est.28-29: ouve-se o sinal da trombeta castelhana: efeitos e consequências deste som nos elementos da natureza, nas mães dos soldados e no exercito português. Estas duas estrofes funcionam como uma introdução ao episódio.

Est.30-31: início da batalha, move-se a 1ª ala de amos os exércitos. Destaca-se o valor de D. Nuno Álvares Pereira.

Est.32-33: o narrador refere-se aos traidores da pátria, considerando que merecem ser castigados no inferno.

Est.34-35: D. Nuno Álvares Pereira é comparado a um leão forte e corajoso. Vendo-se cercado de inimigos, age com coragem e determinação.

Est.36-37 (v.1-4): D. João I de Portugal corre em auxílio de D. Nuno. É comparado a uma leoa parida que defende as suas crias.

Est.37 (v.5-8) a est.38: discurso do rei ás tropas, procurando motivá-los e dar-lhes ânimo. Engrandece-se as qualidades guerreiras do rei.

Est.39: Efeitos que o discurso de D. João I provocou nas tropas portuguesas, que ganharam novo ânimo e vontade.

Est.40-41: referencia à morte de figuras ilustres: Mestre de Santiago, Mestre de Calatrava e dos irmãos Pereira. É igualmente feita referência à morte de muitos anónimos.

A bandeira Castelhana é derrubada aos pés da bandeira Lusitana.

Est.42-44: as tropas castelhanas abandonam o campo de batalha, o Rei de Castela desiste do seu objectivo de conquistar Portugal.

São referidos os sentimentos causados pela derrota.

Na estrofe 44 é feita uma reflexão sobre a guerra.

Est.45: reacção do Rei e de D. Nuno Álvares Pereira, após o desfeche da batalha: o rei goza a glória da vitória descansado e D. Nuno mantém-se em perseguição do inimigo.

Episódio das Despedidas em Belém (narrador participante, narrando na 1ª pessoa):

Est.84: Localização espacial da acção (Belém). Vasco da Gama revela que os seus marinheiros e guerreiros estão dispostos a todo o tipo de esforços para conquistar os objectivos da viagem.

Est.85: Preparação das naus para a partida, preparam-se também todos os que nela participam.

Est.86: Preparação espiritual: Os soldados rezam, implorando a Deus que os guie e os favoreça.

Est.87: Os soldados e marinheiros abandonam a Ermida de Nossa Senhora de Belém. Vasco da Gama confessa ao Rei de Melinde o receio e a dúvida que sentiu neste momento.

Est.88-89: Descrição dos sentimentos vividos por todos aqueles que ficavam.

Est.90-91: É feita, em discurso directo, uma referência ilustrativa do discurso de uma mãe e de uma esposa, dirigida ao filho e ao marido respectivamente.

Est.92: Referencia aos velhos e às crianças, únicos elementos, do sexo masculino que não partiam para os descobrimentos.

Est.93: Vasco da Gama decide partir sem que sejam feitas as costumadas despedidas. As naus partem para a Índia.

Episódio do Adamastor:

Est.37-38: Localização geográfica e temporal da acção. Criação do ambiente para o aparecimento do gigante (nuvem negra), reacções provocadas por esta mudança súbita.

Est.39-40: Aparecimento do gigante e sua descrição física e psicológica. Efeitos provocados pela sua presença.

Est.41-48: 1ª parte do discurso do Adamastor: de carácter profético e ameaçador. O gigante anuncia os castigos e danos que reserva para o povo português.

Considera o povo luso atrevido e ousado e pretende vingar-se de determinadas figuras da nossa história: Bartolomeu Dias, D. Francisco de Almeida e Manuel de Sousa Sepúlveda.

Todos os castigos que prevê e profetiza estão relacionados com os limites marítimos que governa.

Est.49: O gigante Adamastor é interrompido por Vasco da Gama que o questiona acerca da sua identidade.

Est.50-59: 2ª parte do discurso do gigante Adamastor: Em resposta à questão feita por Vasco da Gama, o Adamastor começa por se referir a si do ponto de vista geográfico. Relata a sua trágica história de amor e o castigo recebido por se ter revoltado contra Júpiter.

Na estrofe 59 este castigo é descrito através da transformação do gigante num cabo.

Est.60: Desaparecimento do gigante, chorando. A nuvem negra desfaz-se e Vasco da Gama pede a Deus que as profecias e ameaças do gigante não se realizem.

Outros Trabalhos Relacionados

Ainda não existem outros trabalhos relacionados

Início » Apont. e Resumos » Português » 10º Ano