Trabalhos de Estudantes  

Trabalhos de Biologia - 12º Ano

Ficha do trabalho:

Tumores

Autores: Tiago Filipe Sousa Pinheiro

Escola: Escola EB 2,3 e Secundária de Murça

Data de Publicação: 01/09/2007

Resumo do Trabalho: Trabalho sobre os vários tipos de tumores, realizado no âmbito da disciplina de Biologia (12º ano). Ver Trabalho Completo

Comentar este trabalho / Ler outros comentários

Se tens trabalhos com boas classificações, envia-nos pois só assim
o nosso site poderá crescer.

 

 

 

.

Tumores

● Oncologia (Tumores)

O que é um tumor?

É uma massa de células anormais.

Há dois tipos de tumores:

   - Tumores Benignos:

. Não cancerosos;

. Têm um crescimento lento;

. São capsulados;

.  Não invadem tecidos;

. Fáceis de remover cirurgicamente, dependendo apenas da sua localização;

Nota: Os tumores benignos se não forem tratados, e se atingirem um órgão vital, podem levar à morte.

   - Tumores Malignos:

. São Cancerosos;

. Têm células estruturalmente anormais;

. Têm um crescimento rápido;

. Invadem os tecidos envolventes e metastizam (disseminar ou espalhar para diferentes partes do organismo);

. São difíceis de remover cirurgicamente;

 

Existem três características das células malignas, que são:

Anomalias Estruturais:

Células Normais

Células Cancerosas

Têm um núcleo

2 ou 3 núcleos

46 cromossomas

Nº de cromossomas anormal

Membrana celular e citoesqueleto claramente bem definidos

Membrana celular e citoesqueleto pouco definidos

Invasão de Tecidos:

As células cancerosas continuam a dividir-se, mesmo quando em contacto com outras células. Sem controlo, as células cancerosas invadem e destroem o tecido adjacente (próximo).

Metástase:

É o aspecto mais sinistro do cancro, ou seja, é a capacidade de metastizar (passa para outro local do organismo) um local distante do organismo.

Por exemplo: um tumor pode começar a crescer num osso e disseminar-se (espalhar-se) para outro órgão, como os pulmões.

O tumor primitivo é onde as metástases se originaram. Os tumores primitivos libertam constantemente células para a corrente sanguínea (onde parte delas morrem, ou são neutralizadas, mas uma em cada dez mil células cancerosas consegue sobreviver). Uma vez alojada, e se estiverem reunidas as condições necessárias para que esta possa crescer, então irá originar um novo tumor.

● Genes e Proteínas

Compreender os genes é importante para a compreensão do cancro, visto que muitos cancros são causados por alterações das funções genéticas normais.

Os Genes são segmentos de ADN que codificam proteínas, e as proteínas são substâncias que entram na composição dos tecidos. Por outras palavras, os genes são “receitas” que as células usam para produzir proteínas.

● Oncogenes e genes supressores do tumor

Segundo os cientistas, tem um papel importante na evolução do cancro.

O facto de um tecido pedir células (envia sinais químicos), que vai originar a que seja vista o número de células necessárias ao tecido, e só depois lhe seja enviado. Se tornar a pedir, as células irão consultar os seus “registos genéticos”, fazendo com que não tornem a ser enviadas novas células.

Este equilíbrio pode ser alterado, se ocorrem uma mutação num gene. A mutação, em qualquer dos genes altera a sua função ou inactiva o gene. Se se tratar de um gene do factor de crescimento , uma mutação pode transformar o gene num oncogene, ou seja, um gene de factor de crescimento anormal que torna a célula cancerosa.

Uma vez que a capacidade dos genes inibidores de crescimento para anular o cancro foram amplamente estudados, estes genes são denominados genes supressores do tumor (gene inibidor do crescimento que anula o cancro). 

Muitos carcinomas (tumor que aparece no tecido epitelial – reveste a superfície interna ou externa dos órgãos) evoluem em quatro etapas:

1. Começam como displasia (forma ligeira) não cancerosa;

2. Progridem carcinoma in situ  (localizado);

3. Transformam-se em carcinomas malignos invasivos;

4. Progridem para uma forma mais invasiva que pode metastizar (espalhar-se)

● Causas conhecidas e suspeitas de provocarem cancro
(factores ambientais, vírus, predisposição genética)

Factores Ambientais

Podem ser classificados em:

. Factores Químicos;

. Radiações;

Qualquer destes tipos de radiações pode danificar o ADN.

Os factores químicos e as radiações podem originar:

- Factor Ambiental Mutageneo: substância que danifica o ADN;

- Factor Ambiental Carcinogeneo: substância que danifica o ADN e provoca o cancro;

Exemplo:

. Quem bebe álcool no dia-a-dia está a consumir um mutagene.

. O fumo de um cigarro, pode levar ao cancro, visto que tem substâncias carcinogéneas.

Quem bebe álcool e fuma, o risco de contrair cancro torna-se maior.

Vírus

Através de vários estudos demonstrou-se que os vírus podem provocar o cancro nos animais. Após esta conclusão os cientistas suspeitam que os vírus também podem provocar o cancro nos humanos.

O Vírus é uma pequena partícula da ADN envolvido por um invólucro proteico.

Os vírus, por outro lado, são geneticamente “mal comportados”. Envolvidos por uma camada protectora, o vírus desloca-se procurando células para as invadir. Uma vez dentro da célula, a camada protectora degrada-se e o ADN viral (ARN) passa a comandar o mecanismo celular da produção de ADN. O vírus usa “maquinaria” para se multiplicar a si próprio.

Em muitos casos, a “invasão” (mais propriamente chamada infecção) pode custar ao humano uns dias de gripe…, uma infecção mais devastadora, é uma infecção pelo vírus da SIDA, podendo levar à morte.

OS VIRUS PODEM PROVOCAR CANCRO.

Predisposição genética

Não podemos “herdar” cancro dos nossos pais do mesmo modo como herdamos a cor de olhos ou dos cabelos, mas podemos herdar características genéticas que podem predispor (preparar) o cancro. Esta predisposição pode significar que o seu ADN é mais susceptível aos mutageneos e aos carcinogeneos, aumentando a probabilidade de ocorrer mutação e transformação maligna.

● Classificações do cancro

A classificação do cancro baseia-se no tipo de tecido do qual o tumor deriva:

Classe

Tecido de Origem

Exemplos

Carcinoma

Tecido epitelial

Cancros na pele, mama e pulmão

Adenocarcinoma

Tecido epitelial glandular

Cancro do rim

Sarcoma

Tecido Conjuntivo

Cancro do osso (osteosarcoma; sarcoma de Ewing)

Cancros hematológicos: Linfoma, Leucemia e Mieloma múltiplo

Tecido Linfático, sangue, medula óssea

Doença de Hodgkin

Leucemia linfática aguda

Cancro do SNC

Cérebro, medula espinhal

Glioma, astrocitoma

 

Outros Trabalhos Relacionados

Ainda não existem outros trabalhos relacionados